Curta nossa página


Fique atualizado


Digite seu email abaixo e receba as novidades do site

Perguntas Frequentes


Como baixar?
Filme tá sem legenda?

Digite seu e-mail e receba as novidades do site. A confirmação chegará com nome de feed subscriptions


Termos de Uso e Compromisso

Informamos que os links para filmes antigos, discografias, documentários, coletâneas e livros aqui apresentados estão hospedados na internet sem vínculo ao site. Aqueles que forem baixados, devem permanecer por no máximo 24 horas em posse de qualquer pessoa. O usuário ao baixar qualquer arquivo estará de acordo com os termos aqui descritos e será responsável pela permanência do mesmo em seu computador, sabendo de sua permanência máxima. Os donos, webmasters, usuários e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção deste blog não tem responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar. Você não pode usar este site para distribuir ou arquivar (com permanência superior à 24 horas) nenhum material do qual você não tenha os direitos legais de uso. É de inteira responsabilidade tua cumprir estas regras. COMPRE O MATERIAL ORIGINAL DO ARTISTA, VÁ AO SHOW E PRESTIGIE O TRABALHO DO MESMO.

Discografia Facção Central


download discografia facção central
Facção Central é um grupo de rap brasileiro, formado na cidade de São Paulo no ano de 1989, pelos cantores Eduardo, Dum-Dum, Jota Ariais, Smith e pelo DJ Marquinhos.
O grupo foi formado na região central de São Paulo (Glicério, Cambuci e Ipiranga), sendo inicialmente integrado por Nego (hoje conhecido como rapper Mag), Eduardo e Jurandir. Nego e Jurandir deixaram o grupo, sendo substituídos por Dum Dum e Garga, que se juntaram a Eduardo e iniciaram as atividades do grupo. De 1997 para 1998 Garga saiu do grupo e Erick 12 chegou para somar, mas em seguida deixou o Facção Central (FC) e hoje apenas produz para o grupo.
Nascidos e criados em cortiços, os componentes Eduardo (compositor/intérprete) e Dum Dum (intérprete) conviveram desde a infância com violência social, tráfico de drogas, vícios, violência policial, delegacias e presídios. Um passado violento transformado em fonte de inspiração e traduzido em composições contundentes que relatam a realidade cotidiana das camadas mais baixas da sociedade, além de criticar duramente aqueles que, na visão do compositor Eduardo, seriam os causadores dos problemas discutidos nas letras das canções.


  • Geilson disse:
    14 de setembro de 2012 às 12:13 am

    ”Não é ilusionismo”

  • IGOR disse:
    15 de outubro de 2014 às 6:24 pm

    Responsável(eis) por esse site, OBRIGADO!
    *_____________________*

    Vai pra minha página inicial no lugar do Google! Rs


Deixe seu comentário